Aeroporto de Recife ganha novas rotas internacionais operadas pela Azul

04/08/2010. Crédito: Rafael Ohana/CB/D.A Press. Brasil. Brasília – DF. Avião da empresa Azul durante voo inaugural.

Enquanto o pleito da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) é unificar as alíquotas de Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o combustível de aviação em todos os estados brasileiros, em Pernambuco, a diferença na cobrança do tributo garantiu a ampliação nas operações do Aeroporto Internacional Gilberto Freyre, em Jaboatão dos Guararapes, região metropolitana de Recife. Em voos internacionais, o aumento foi de 32% este ano em relação a 2016, partindo na capital pernambucana.

Nesta quinta-feira (5/10), a Azul anunciou a ampliação do hub a partir de Recife com novos destinos regionais e internacionais. Em 2018, Rosário e Córdoba, na Argentina, e Fort Lauderdale, nos Estados Unidos, receberão voos diretos da Azul, uma vez por semana, partindo da capital de Pernambuco. A companhia já opera o destino Orlando (EUA). Serra Talhada e Caruaru, no interior pernambucano, também estão nos planos da Azul, que chegará à marca de 25 destinos servidos e mais de 100 movimentos diários no aeroporto na alta temporada.

O presidente do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur), Felipe Carreiras, que é secretário de Turismo de Pernambuco, antecipou, na quarta-feira, durante o evento Desafios da Aviação, promovido pela Abear, em Brasília, que a malha internacional de Recife seria ampliada. “Os incentivos fiscais foram fundamentais para a Azul se consolidar no aeroporto. O ICMS sobre querosene de aviação era tributado em 25% e baixamos para 7%”, afirmou, na ocasião.

A redução, garantiu Carreiras, não impactou os cofres públicos. “Conseguimos compensar a queda da alíquota com aumento no consumo de combustível. O Estado recebe a mesma coisa que antes, com alíquota menor, e a população ganhou mais voos e rotas”, disse.

Hoje, a Azul lidera as operações em Recife. O número de voos internacionais partindo de Recife aumentou 32% de 2016 para 2017, disse o secretário. Na comparação entre 2015 e 2016, enquanto o país sofreu com uma queda no fluxo de passageiros de 5,2% no setor aéreo, em Recife houve alta de 1,7%. “Em 2017, enquanto a média nacional aponta crescimento de 2,7%, em Recife a alta foi de 9,7% na comparação com 2016”, afirmou.

John Rodgerson, presidente da Azul, destacou o crescimento da companhia em Recife, que oferece metade das partidas e mais de 40% da oferta de assentos do aeroporto pernambucano. “Nossa malha no Recife vem crescendo a cada dia, permitindo que a companhia ofereça conexões rápidas e convenientes para vários destinos no país e no mundo. As novidades que anunciamos hoje aumentarão o intercâmbio de pessoas entre o Brasil, Argentina e EUA, fomentando negócios e turismo”, comentou Rodgerson.

Deixe um comentário